Arquivo da tag: repórter especial

“Jornalista tem que ter olho no olho, entrevistar e ir às ruas”, defende a repórter especial da revista Época Cristiane Segatto

*Por Beatriz Bauer

O brilho no olhar e o entusiasmo demonstram o quanto um profissional ama o seu ofício. A forma apaixonada como fala de sua carreira ajuda a explicar o seu sucesso na profissão. No decorrer do bate-papo que a jornalista Cristiane Segatto teve com os alunos de jornalismo da Anhembi Morumbi, no dia 26 de abril, no campus Vila Olímpia, tudo isso ficou claro.

Vencedora de dois prêmios Esso de Jornalismo e várias outras premiações, a repórter especial da Revista Época, que atua na área do jornalismo da saúde há quase 20 anos,  mostrou, ao longo de uma hora de conversa com os estudantes, toda sua devoção pela arte de contar histórias, em especial no jornalismo de revista. A palestra aconteceu na aula da disciplina Produção de Revista, ministrada pela professora e jornalista Patrícia Paixão, responsável por esse blog (Formando Focas).

Cristiane ressaltou o quanto esse jornalismo é importante por poder ir mais a fundo em um assunto, por abordar aquilo que os jornais diários não conseguiram tratar. “As matérias que eu faço na revista surgem em cima de brechas deixadas pelo jornalismo diário, aspectos que as reportagens do hard news não conseguiram aprofundar”, contou a jornalista.

Para atingir esse aprofundamento, Cristiane sugere que o repórter viva o mesmo que o personagem retratado, que entre no mundo dele. Com essa atitude, a chance de o que estiver sendo falado ser mais próximo da realidade é maior. “Jornalista tem de ter olho no olho, entrevistar, ir às ruas”, completou.

Esse processo só será bem feito se o repórter for curioso e apurar a sua sensibilidade. Este aprendizado, aliás, Cristiane absorveu de uma professora da faculdade, que dizia que era preciso “ver com olhos de enxergar, ouvir com ouvidos de escutar”. Ao aguçar a sensibilidade e perceber os detalhes, é possível obter informações muitas vezes não ditas que enriquecem a narrativa.

Uma vez coletados e estruturados os dados, o jornalista precisa visualizar a reportagem e, então, em conjunto com o editor de arte, elencar quais os elementos que imagina para a finalização. Isso é importante, porque o leitor, primeiramente, é atraído pelas imagens, arte, título e subtítulos. O texto vem na sequência. Por isso, o trabalho em uma redação precisa ser sempre em parceria: “O leitor muitas vezes entra na sua reportagem pelo título, por um olho ou pela foto, então tudo precisa ser muito bem feito”.

Outro ponto abordado foi o fato de as pessoas, muitas vezes, acharem que o jornalista tem de escrever de forma rebuscada e difícil. Ela refuta essa ideia, principalmente por trabalhar na área da saúde que é repleta de termos técnicos e desconhecidos do grande público. Ao contrário do que se pensa, ela afirma que o papel do jornalista é transformar confusão em clareza, sem perder a profundidade. Ou seja, tem de tornar acessível para leigos assuntos tratados por profissionais.

Cristiane destacou que trabalhar no jornalismo de saúde não é fácil: “Muita gente escolhe essa área achando que se trata de algo mais fácil que cobrir Política ou Economia, só que a área de Saúde também envolve Política, Economia e muitos outros assuntos, muitos pontos polêmicos”. Segundo ela, para atuar nesse setor é preciso estudar bastante para não ser contestado: “Você vai entrevistar pessoas com um conhecimento muito grande, como médicos, pesquisadores.  Se você não estudar, se não for criterioso, corre o risco de uma dessas fontes te questionar ou de ser manipulado, por falta de conhecimento”.

Para a repórter, um bom jornalista tem de ter referências e seguir exemplos de quem admire, além de ler muito e conhecer ao máximo o meio em que atua. Cristiane citou alguns autores que a influenciaram a escrever de forma literária, como José Saramago, Machado de Assis, Jorge Amado e Ian McEwan. Tudo serve como repertório e amplia o universo do jornalista que, em algum momento, usará o conhecimento obtido.

A jornalista encerrou seu bate-papo falando sobre o que deveria ser o básico para todo profissional: dedicação. Para uma reportagem sair boa, é preciso usar bastante tempo, ser criterioso, ter rigor na apuração, ler muito e ser curioso, fazendo tudo isso com prazer.

De forma simples e cordial, ela deu o recado a todos que queiram obter êxito na área jornalística.

*Beatriz Bauer é aluna do sexto semestre de jornalismo da Universidade Anhembi Morumbi, campus Vila Olímpia. Ela escreve para o Formando Focas em caráter colaborativo.