Arquivo da tag: linguagem jornalística

O dilema das aspas – Parte I

*Patrícia Paixão

Uma das dúvidas recorrentes nas aulas de redação jornalística refere-se ao uso da pontuação nas aspas, no momento de transcrever as falas dos entrevistados (no caso dos alunos que entrevistam, é claro, pois existem os que querem ser jornalistas, mas detestam entrevistar – leia também Precisa entrevistar???).

O ponto final deve ser colocado dentro ou fora das aspas?

É bem fácil resolver essa questão e um dos principais manuais de redação do país, o do Grupo Folha (minha antiga casa), deixa claro o que se deve fazer:

Se você está colocando entre aspas a declaração do entrevistado num período completo, o ponto final deve vir dentro das aspas. E não é preciso colocar outro ponto depois das aspas, hein caixa d´água?! Agora, se no meio de um período seu você incluir a fala do entrevistado, o ponto deve vir depois das aspas.

Veja o exemplo:

“O Brasil precisa resolver com urgência sua enorme desigualdade social.” Com este alerta o sociólogo Fulano de Tal abriu sua palestra no Congresso XXXXXXXX, realizado em XXXXXXX.

#

No Congresso XXXXXX, realizado em XXXXX, o sociólogo Fulano de Tal alertou que “o Brasil precisa resolver com urgência sua enorme desigualdade social”.

O assunto aspas rende e em outros posts da seção “Neura do Dia” continuarei falando a respeito.

Não tem ponto final, não tem ponto final, não tem ponto final…

*Patrícia Paixão

Inaugurando no blog, que também é novo, a categoria “Neura do Dia”. Porque todo jornalista que se preza precisa ser neurótico em fazer um bom jornalismo.

E pra começar nada melhor do que falar da incrível mania do aluno de jornalismo de colocar ponto final em título. Tá, parece bobeira, mas não é. Para ser um bom profissional na área também é preciso respeitar a linguagem jornalística.

Então, nada de ponto final em título, subtítulo e legenda. Chega dessa tara! Aff!

E pra ter certeza de que você resistirá a essa tentação do capeta, repita comigo, como um mantra, por pelo menos dez vezes:

NÃO TEM PONTO FINAL! NÃO TEM PONTO FINAL! NÃO TEM PONTO FINAL! NÃO TEM PONTO FINAL! NÃO TEM PONTO FINAL! NÃO TEM PONTO FINAL! NÃO TEM PONTO FINAL! NÃO TEM PONTO FINAL! NÃO TEM PONTO FINAL! NÃO TEM PONTO FINAL! NÃO TEM PONTO FINAL!

Adicione essa neura aos seus textos jornalísticos e faça seus professores felizes 🙂