Arquivo da tag: julio maria

“É preciso mergulhar na obra e ter coragem para apontar suas falhas”, destaca Julio Maria sobre o trabalho do crítico musical

*Por Brian Alan

Com fotos de Cecilia Ferreira

“Bagagem cultural, pesquisa e um bom texto vão determinar o seu sucesso ou insucesso na área”. Essa foi uma das frases que o crítico e repórter do jornal O Estado de S.Paulo, Julio Maria, utilizou para aconselhar os alunos de Jornalismo que pretendem seguir na área de crítica musical. O bate-papo com o jornalista aconteceu em 15/05, no Centro de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Julio foi convidado pela jornalista e professora da instituição, Patrícia Paixão.

Autor da biografia “Elis Regina – Nada será como antes” (2015), o jornalista ressaltou a importância da crítica ser sempre bem fundamentada e de o jornalista ter coragem para apontar as imperfeições de um álbum, quando necessário, mesmo em tempos em que os críticos são “massacrados” nas redes sociais. Segundo ele, é muito comum que, de acordo com o tom da crítica, a repercussão seja boa ou ruim nas redes. “Muita gente teme hoje fazer uma crítica mais incisiva, com medo do ‘tribunal do Facebook’”.

Para ele, é importante manter a ética e apontar os problemas da obra, mesmo sabendo da repercussão que isso irá causar. “Eu já vi meu nome em mais de 700 comentários, todos me xingando. Justo. Não gostaram do que eu falei, assim como eu não gostei do disco”, completou.

E não parou por aí. Ainda sobre ética, Júlio falou sobre a importância de o crítico não se vislumbrar com seu trabalho (já que se relaciona com muitas celebridades), adotando uma linha elogiosa, para ficar bem com os músicos.  Ele disse que, apesar de manter contato com diversos artistas em nível pessoal, não deixa que isso afete sua postura profissional. Para exemplificar, citou o processo de construção da biografia que fez sobre Elis Regina. “Eu mantive contato com os três filhos, João Marcelo Bôscoli, Pedro Mariano e Maria Rita. Deixei claro que eles não iriam interferir no meu trabalho. E eles realmente não interferiram. O João Marcelo chegou a dizer que teve que parar a leitura do livro várias vezes, pois, ao ler a obra, tinha momentos em que gostou menos da mãe”.

Falar de uma personalidade do tamanho de Elis é algo bastante delicado, no entanto, quando a vontade de fazer um bom trabalho caminha com a organização, o resultado positivo aparece. Júlio fez mais de 100 entrevistas, envolvendo amigos, familiares, ex-funcionários, especialistas, além de ler outras obras envolvendo o nome da cantora.

“Tive uma reação boa dos três filhos [de Elis]. Eles me disseram que descobriram muitas coisas sobre a mãe através do livro”, contou.

Julio ressaltou que a crítica aprofundada, de responsabilidade, não é um trabalho que deve ser feito às pressas. “Muita gente me envia álbuns, manda mensagem todo dia e cobra uma análise do trabalho. Eu não atuo assim”.

Para o jornalista, a boa crítica não sai de um dia para o outro, sob pressão. “É preciso mergulhar no trabalho do artista”, acrescentou.

O método utilizado por Julio para fazer suas críticas foi motivo de muitas perguntas, como esta: “como você avalia o crescimento ou amadurecimento de um artista?”.

Ele respondeu: “ouvindo a obra do artista, ligando o novo disco aos antigos e aos diversos universos dentro da música”.

Julio deixou uma frase interessante, que mostra como o trabalho do crítico é por natureza polêmico, no que se refere à repercussão com o público. “O artista faz o trabalho, o crítico tenta explicá-lo. Dentro desse espaço, existem milhares de motivos para concordar ou discordar da crítica”.

O bate-papo com os alunos de Jornalismo, que deveria durar uma hora e meia, acabou se estendendo para quase duas horas, tamanha a empolgação dos estudantes.

*Brian Alan é Cecilia Ferreira são alunos de Jornalismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Eles produziram essa cobertura para o Formando Focas em caráter colaborativo.