Arquivo da tag: boate Kiss

Em necessário livro-reportagem, Daniela Arbex devolve a vida às vítimas da boate Kiss

Livro emociona por revelar últimos momentos das vítimas com seus familiares e todo sofrimento sentido na tragédia, que deixou 242 mortos. Culpados respondem em liberdade.

Por Patrícia Paixão

Comprei esse livro há mais de seis meses e, na correria de vida que eu levo, com dezenas de obras do doutorado pra terminar, resolvi guardá-lo para fazer a leitura num momento de total dedicação a ele. Depois de Holocausto Brasileiro, sabia que Daniela Arbex voltaria a me emocionar. Devorei o livro em poucas horas, e é emblemático que tenha sido hoje, 25 de janeiro, dia tragédia na barragem em Brumadinho (MG).

Os quatro diretamente responsáveis pela tragédia na boate Kiss respondem em liberdade. Duzentas e quarenta e duas pessoas (muitos jovens de 18, 19 anos) tiveram sua vida dolorosamente interrompida por conta do incêndio na boate.

Os familiares das vítimas? Muitos estão até hoje com problemas psicológicos; muitos mantêm as luzes dos quartos dos filhos mortos acesas, para sentir de alguma forma a presença deles; alguns morreram pouco tempo depois; alguns se ausentaram da vida.

Os culpados pela tragédia na Kiss, tal como os responsáveis pela tragédia em Mariana, podem tocar suas vidas normalmente. Os mortos e seus familiares não. Fico pensando nos mortos da tragédia em Brumadinho… Mais um capítulo de lágrimas no país em que o crime compensa…

Mas esse livro não fala só da impunidade. Ele consegue um feito muito maior. Com o livro, as vítimas da Kiss voltam à vida. É possível saber quais eram seus hobbies, seu jeito de ser, sonhos… É um livro sobre amor, empatia e solidariedade acima de tudo.

Daniela nos revela como era o relacionamento das vítimas com seus pais e nos faz valorizar muito as pessoas que amamos. Inevitável não se colocar no lugar das mães, irmãos, avós e amigos que perderam os seus entes repentinamente e ficaram com o coração latejando por não terem conseguido dar o último abraço.

O livro descreve casa instante de aflição dos familiares. Quando a equipe de resgate entrou na Kiss, diversos celulares sobre a pilha de mortos contabilizavam dezenas de chamadas perdidas. Eram os familiares aflitos esperando inutilmente um “Oi, mãe, estou bem. Não fui vítima do incêndio”.

Daniela, obrigada por essa obra que me faz amar ainda mais a nossa profissão. O jornalismo é muito importante, quando feito com respeito, sensibilidade e genuína compaixão pelo próximo. Não dá pra ser um bom repórter sem empatia. Em seus três livros você mostra que é uma grande repórter, querida Daniela Arbex.

Livro obrigatório, queridos focas! LEIAM!!! ❤