Arquivo da categoria: estudantes de jornalismo

Carta de um recém-formado em jornalismo para um estudante do ensino médio

*Rubens Rodrigues

Fala, Moleque!

Sabe aquele sonho que você projetou há dez anos? Venho te falar que ele se realizou. Você se formou! Você é jornalista e eu tenho um baita orgulho do caminho que percorreu até chegar aqui. Te escrevo não apenas para te parabenizar, mas para relembrar do quanto você foi forte nesse percurso.

Você nunca foi fã do Racionais, muito menos do gênero musical que o grupo canta, mas recentemente tá ouvindo bastante, né? Talvez porque algumas de suas letras fazem você refletir e lembrar do quanto foi difícil a caminhada.

“É necessário sempre acreditar que o sonho é possível. Que o Céu e o limite e você, truta, é imbatível. Que o tempo ruim vai passar, é só uma fase. E o sofrimento alimenta mais a sua coragem.”

Lembra daquele pivete de 14 anos que ia pra escola com camisa de time, que só falava de futebol na sala, e, nas aulas de Educação Física, brincava de narrar futebol e entrevistar os jogadores? Hoje não é mais brincadeira. Os entrevistados não são mais os amigos. Hoje você é um profissional do jornalismo.

Na escola você não via a hora da aula acabar pra assistir aos programas esportivos. Gostava de se informar sobre o mundo da bola. Durante as passagens de cada repórter, sonhava: “Um dia o GC será Rubens Rodrigues em vez de Fernando Fernandes, Nivaldo De Cillo, Felipe Kileing, Marcio Gontijo, João Paulo Vergueiro, Fábio Neves, Sandro Gama e outros repórteres que apareciam nos programas “Jogo Aberto” e “SPA Acontece”. Você já até conheceu e entrevistou alguns desses repórteres, né? Você é diferenciado moleque! É esforçado, dedicado e tem um amor pelo jornalismo gigante.

Antes de se matricular na faculdade, você inventou de trabalhar de auxiliar de caravana, só para conhecer e estar dentro de uma emissora de TV. Saía convidando todo mundo para ir aos programas, principalmente os da TV Bandeirantes, pela qual você tem uma paixão indescritível. Você sempre foi curioso, mas, ao mesmo tempo, ingênuo. Tirava dinheiro do seu bolso para pagar as pessoas para irem na plateia, tudo isso para não dar mancada com as produtoras dos programas. Já quando estava prestes a parar de fazer caravana, descobriu que foi enrolado por uma das caravanistas. Nunca viu a cor do dinheiro que deveria receber por levar as pessoas aos programas. Chateou-se demais com isso, mas relevou.

Lembra de quando você foi muito mal no ENEM e não conseguiu ingressar na faculdade? Se achou incapaz, ficou magoado, não queria mais cursar faculdade. Chegou a pensar que a faculdade só era para quem estudava em escola particular. Quase desistiu, porque não tinha condições de pagar uma faculdade tão cara. Depois de um ano e meio, conseguiu uma bolsa de 50% e ingressou seus estudos na FAPCOM. No fim daquele primeiro semestre foi o único da turma que pegou DP. O script se repetia: se achou incapaz, ficou magoado, chorou….

Mas tu era foda, moleque. Trabalhava à noite em uma empresa de ônibus em Santo Amaro, ia para faculdade (Vila Mariana) virado do trampo, chegava em casa em Embu Guaçu (Grande São Paulo) por volta das 14h para dormir até as 17h30, porque tinha que ir trabalhar. Era compreensível as DPs porque você tinha rotina muito intensa e era seu primeiro contato com a vida acadêmica. Não era igual o ensino médio.  Tinha que ralar para tirar a média que era 8.0. Era difícil, mas você precisava dar um trampo para pagar a faculdade.

Moleque, quando você criou o Blog Bola Rolando tu me encheu de orgulho. Lembro que era apenas para escrever sobre futebol. Viu que deveria ter algo de diferencial em relação aos demais blogs. Então resolveu criar um quadro de entrevistas com cronistas esportivos. Essa sua paixão pelo jornalismo sempre me deixou orgulhoso. Cara, você lembra quando foi para frente do espelho ensaiar para fazer sua primeira entrevista com um jornalista esportivo? Você era chato quando queria entrevistar. Mas estava fazendo apenas a função de jornalista: ser persistente. No Bola Rolando tu fazia tudo cara: produtor, pauteiro, repórter, cinegrafista, editor.

Você cresceu ouvindo rádio e, com o tempo, começou a acompanhar futebol somente pelo dial. Gosta da emoção que esse veículo proporciona. Viu que o rádio seria um bom lugar para trabalhar. Ligou por muitas vezes nas redações das rádios pedindo para visitar e acompanhar um programa esportivo para ver como funciona. Foi muito chato. Ligava a cada 10 minutos até que conseguiu. Batia cartão na extinta Bradesco Esportes FM.

Lembra de quando você falou pela primeira vez ao vivo numa rádio? Apresentou um programa musical com jornalismo na Rádio Paradise FM (Rádio Comunitária da sua cidade). Era da hora ver você se entregando tanto.

E a sua primeira experiência com a reportagem, tá lembrado? Eu tô falando daquela reportagem da Virada Esportiva que você foi voluntariado. Com apenas  um mês de faculdade, você se inscreveu para cobrir a Virada Esportiva e foi lá e fez o trabalho bem feito, né? A reportagem foi parar no site da prefeitura de São Paulo. E lembra de quanto você recebeu? MUITO! A experiência que você adquiriu ali foi crucial para seu aprendizado, moleque! Você ainda estava aprendendo o que era lide, e conseguiu fazer uma boa cobertura.

Você lembra quando brincava de ser repórter da Band? Assistia ao jogo anotando tudo. Quando acabava, ia para frente do computador (que não tinha internet), escrevia a matéria daquele jogo, colocava em um pen drive e ia para a Lan House no outro dia, só para confirmar as informações na internet.  Completava a reportagem e imprimia. Lembro que às vezes a matéria saía ali mesmo na folha do caderno da escola. Todas eram assinadas como Rubens Rodrigues, repórter da Rádio e TV Bandeirantes. Essas matérias você tem guardadas e, às vezes, quando vê que tá difícil, vai lá na caixa e pega as reportagens pra matar saudade.

Você foi um moleque doido pelo jornalismo esportivo e sempre sonhou em trabalhar na TV Band. Era o canal que você mais assistia, porque não tinha TV a cabo e era a emissora que mais tinha programação esportiva. Sua história relembra os antigos narradores que iam para campo de várzea narrar. Você pediu pro seu irmão fazer um microfone de madeira para “brincar” de entrevistar os jogadores. Mandou confeccionar uma camisa de “reportagem” só para se sentir um repórter na beira dos gramados dos campos de várzea de Embu-Guaçu. O microfone era de Karaokê com o fio cortado, a canopla era de madeira com adesivo da Band, que mais tarde daria lugar ao logo do seu blog. Você sempre foi louco rsrs.  

Na Copa do Mundo, gostava de fazer coberturas ao vivo. Cada jogo do Brasil ia para a casa dos amigos e fingia entrar em link ao vivo para ver como estava o ambientes dos brasileiros, saber das expectativas dos torcedores. Para isso, você promovia uma credencial semelhante aos dos jornalistas que trabalhavam na Copa. Já disse que você era louco, né?

Tenho muito o que relatar aqui, mas preciso te alertar de uma coisa: o mercado jornalístico tá bem complicado. Preciso dizer que estou orgulhoso do Rubens que se formou. Ele amadureceu e vê o jornalismo hoje muito diferente de quando era moleque. Hoje ele entende que não existe jornalista que trabalha só com esporte, e sim jornalista que deve saber falar de tudo. Hoje o Rubens escreve para uma grande agência de jornalismo que fala de periferia.

Hoje as pessoas encontram o Rubens e perguntam o que ele vai fazer da vida, uma vez que terminou a faculdade e não está trabalhando na área. “E aí? Agora que terminou a faculdade, você vai trabalhar na TV quando? Ou vai ficar trabalhando em uma gráfica?” Eles não entendem que o Rubens trabalha na área. Na Agência Mural o trabalho lá é bem feito. Ele consegue ter o tesão pelo jornalismo, quando elabora a pauta, entrevista, vai atrás de fonte e senta para escrever.

O Rubens hoje pensa em investir no seu canal para falar de futebol, já que não tem um trampo fixo no jornalismo. O Rubens não quer abandonar o Bola Rolando, porque cada entrevista, texto, reportagem tem uma história que ele lutou muito para conseguir. O Rubens formado tem um recado para o Rubens estudante do ensino médio:

“Obrigado por nunca ter desistido do jornalismo. Obrigado por cada lágrima derramada, sejam elas de alegria por pisar pela primeira vez em um estádio de futebol para reportar um jogo, ou porque estava se formando e viu que não estava trabalhando diretamente com futebol. Rubens, tá difícil, tá foda, tá complicado, mas não desiste não, cara. Lute muito! Nunca foi fácil e nem será. Eu espero que daqui um tempo você possa estar escrevendo outra carta e, nela, você estará ainda melhor do que agora.”

*Rubens Rodrigues acabou de se formar em Jornalismo pelas Faculdades Integradas Rio Branco. Ele escreve para a Agência Mural de Jornalismo das Periferias.

A todos que temem não vencer no jornalismo

*Patrícia Paixão


Boas histórias são para serem compartilhadas. Elas inspiram, elas ajudam a convencer quem pensa em desistir, elas enchem nossos corações de esperança.

Essa é uma história muito bonita sobre uma aluna de jornalismo.
Me lembro do primeiro dia em que dei aula para a Deise Dantas. Pedi que cada aluno se apresentasse para mim e, quando chegou a vez da Deise, ela me encurralou:

“Professora, quero que você seja extremamente sincera. Sou mais velha e estou há muito tempo sem estudar. Eu vou ter chance no mercado jornalístico? Vou conseguir um estágio? Pergunto isso, pois, caso eu não tenha chances, eu vou desistir do curso”.

Eu não costumo vender um “mundo Poliana” aos meus alunos. Com um aperto no peito, encarei Deise e disse a verdade. Expliquei que o mercado dá preferência sim a pessoas mais jovens, que é competitivo e cruel. Mas destaquei que, apesar desse cenário desfavorável, já tive alunos e alunas mais velhxs que, por terem um amor imenso pelo jornalismo, dedicaram-se e perseveraram muito, muito mesmo, conseguindo uma vaga na área.

Deise, então, prosseguiu no curso, mas insegura, sempre duvidando da sua capacidade, do seu texto. Eu permanecia estimulando-a, tentando convencê-la sobre seu potencial.


Em 2015 a faculdade em que eu e Deise estávamos (lá eu era professora e coordenadora do curso de jornalismo) fechou repentinamente. Eu, ela e outros centenas de alunos e professores ficamos desamparados. Consegui me recolocar em um mês, mas muitos dos meus pupilos permaneciam no desespero. A mensalidade na Faculdade do Povo era bem acessível, e eu só conseguia pensar na situação de alunos queridos como a Deise, que dificilmente poderiam arcar com uma mensalidade puxada em outra instituição com a qualidade da FAP. Sim, a Faculdade do Povo era maravilhosa. Tinha quatro estrelas no Guia do Estudante e nota 4 no MEC. Que orgulho daquela faculdade!!


Graças à generosidade e à ajuda da amiga Patrícia Rangel, coordenadora nas Faculdades Integradas Rio Branco, eu, Deise e muitos alunos da FAP fomos acolhidos. Tive que deixar a instituição poucos meses depois (havia conseguido aulas em outras duas universidades e estava muito puxado), mas Deise encontrou na Rio Branco professores maravilhosos. Dentre eles Patrícia Ceolin, Carina Macedo Martini, Renata Carraro e André Rosa de Oliveira, que acabou se tornando seu orientador de TCC.


Ontem eu tive a oportunidade, nesses reencontros maravilhosos que Deus nos proporciona por intermédio dos nossos amigos, de ser avaliadora da banca da Deise. Eu analisei seu livro-reportagem chorando de emoção. Deise, que desconfiava tanto do seu texto, escreveu uma obra linda, com perfis de integrantes de um movimento de luta por moradia em Taboão da Serra. E eu que falei tanto sobre Eliane Brum com Deise, vi vários parágrafos em seu livro que parecem ter sido escritos pela diva do nosso jornalismo. Deise hoje é uma JORNALISTA madura e muito boa. UMA JORNALISTONA dessas que farão a diferença na nossa área, que honrarão a natureza social da profissão.


Ela conseguiu entrar na área. Está fazendo estágio, feliz e orgulhosa das suas conquistas. Deise venceu. Como diz o título do seu livro-reportagem, ela foi do “Chão ao céu”.


E hoje eu sou uma professora boba, rindo sozinha pelos cantos, lembrando da jornalista maravilhosa em que Deise se transformou.

Áudio documentário discute machismo no meio esportivo

*Patrícia Paixão

Quando começou, na década de 1980, a repórter e apresentadora Regiani Ritter adentrava vestiários masculinos para entrevistar jogadores e técnicos, quebrando estereótipos e preconceitos. Em 1991, quando foi eleita a melhor jornalista esportiva do Estado de São Paulo, pelo jornal Unidade, do Sindicato dos Jornalistas, chegou a ouvir um comentário malicioso, que tentava desqualificar sua legítima conquista (Regiani concorreu no prêmio com 600 jornalistas homens). 

Passadas algumas décadas, o machismo persiste no meio esportivo. Apesar de a cada dia mais mulheres cobrirem a área, muitas jornalistas continuam ouvindo insultos, sendo assediadas e tendo suas qualificações questionadas.

Com o objetivo de dar luz ao assunto, os estudantes do sexto semestre de Jornalismo da Universidade São Judas – Beatriz Alves, Herson Scotti, Mariana Lima e Murilo Batista – produziram um áudio documentário, como parte do Projeto Interdisciplinar do curso, que traz Regiani Ritter e outras vozes importantes.

Participam ainda como entrevistadas no DOC a nadadora de alto rendimento Joana Maranhão; a comentarista, narradora e jornalista esportiva da Rede Vida, Elaine Trevisan; a torcedora do movimento “Toda Poderosa Corintiana”, Denise Bonfim; além da jornalista esportiva Christiane Mussi, uma das idealizadoras do manifesto “Deixa ela trabalhar” (lançado em março de 2018 e amplamente divulgado em diferentes mídias) contra o assédio às repórteres nos estádios e na cobertura esportiva em geral.

As entrevistas relatam casos de machismo vividos por elas e comentam sobre o cenário vivido hoje pelas mulheres no jornalismo esportivo, apontando caminhos a serem seguidos.

Confira o DOC na íntegra a seguir:

Crédito da imagem: Pixbay

“A moda precisa ser noticiada com olhos críticos”, defende Andreia Meneguete

17362895_1352456911479164_4622382750851812353_n

A jornalista e consultora de moda Andreia Meneguete. Crédito: Patrícia Paixão

*Por Júlia Mello

A jornalista Andreia Meneguete, especializada em jornalismo de moda, freelancer da revista Vogue e marketing do estilista Ricardo Almeida, esteve na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em 20/03, para conversar com os alunos e dar algumas dicas para quem quer trabalhar com jornalismo de moda.

Se você acha que ela veio falar sobre como fazer o look do dia, apenas pare!

Questionadora, Andreia começou sua palestra explicando que ser jornalista de moda vai muito além de escrever sobre looks e tirar selfies com estilistas famosos em eventos como a São Paulo Fashion Week. Para ela, a moda precisa ser pensada como parte da cultura e ser noticiada com olhos críticos. Segundo a jornalista, a moda de rua, por exemplo, também conhecida como street style, é um reflexo do comportamento da sociedade.

Andreia também ressaltou que as revistas de moda, as campanhas e os desfiles normalmente antecipam comportamentos futuros da sociedade. Destacou que a temática das mulheres trans, por exemplo, que já é pauta antiga no mundo da moda (basta lembrar da capa da Vanity Fair, com Catilyn Jenner), hoje está em destaque na grande mídia. Também lembrou do debate presente hoje na sociedade acerca do respeito a diferentes estilos de corpo, que também foi iniciado na moda. Citou o caso das modelos plus size que apareceram nas capas da Vogue Itália, em 2011, e da Elle Brasil, em 2015. “Só agora as modelos plus size aparecem na capa da revista Veja São Paulo, que é um veículo da grande imprensa. Elas apareceram antes nas mídias de moda”, argumentou.

O feminismo também é uma pauta contemplada pela moda, de acordo com Andreia. Ela enfatizou o pioneirismo de Karl Lagerfeld, por exemplo, no desfile-protesto da Chanel em 2014, quando diversas modelos, inclusive Gisele Bündchen, encenaram uma manifestação feminista.

“Além disso, a moda se relaciona o tempo todo com outras seções do jornal,  como Política ou Economia. Ela está ligada a diversas outras áreas”, disse a jornalista.

Para Andreia, para seguir no jornalismo de moda é preciso primeiro tirar a visão de glamour da área. É preciso expandir os olhares e conseguir relacionar a moda com diversas áreas, além da roupa. É necessário muito estudo da história, do comportamento social, saber um pouco de tudo para conseguir relacionar tudo com a indumentária, que normalmente diz muito sobre as pessoas e suas características. Um bom exemplo dado por Andreia foi o terno usado na posse do presidente norte-americano Donald Trump. “Foi  um terno de uma marca italiana super tradicional… Diz muito a respeito do sujeito, não?!”, enfatizou Andreia.

Outras dicas bastantes valiosas são: conseguir identificar o nicho do veículo que você escreve ou quer escrever, já que cada um consome e vende moda de um jeito; estudar as marcas e o impacto que elas trouxeram para a sociedade ao longo da sua história e, por fim, mergulhar e se envolver completamente com o tema.

*Júlia Mello é minha aluna de Jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Ela escreve como colaboradora aqui no Formando Focas.