“A moda precisa ser noticiada com olhos críticos”, defende Andreia Meneguete

17362895_1352456911479164_4622382750851812353_n

A jornalista e consultora de moda Andreia Meneguete. Crédito: Patrícia Paixão

*Por Júlia Mello

A jornalista Andreia Meneguete, especializada em jornalismo de moda, freelancer da revista Vogue e marketing do estilista Ricardo Almeida, esteve na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em 20/03, para conversar com os alunos e dar algumas dicas para quem quer trabalhar com jornalismo de moda.

Se você acha que ela veio falar sobre como fazer o look do dia, apenas pare!

Questionadora, Andreia começou sua palestra explicando que ser jornalista de moda vai muito além de escrever sobre looks e tirar selfies com estilistas famosos em eventos como a São Paulo Fashion Week. Para ela, a moda precisa ser pensada como parte da cultura e ser noticiada com olhos críticos. Segundo a jornalista, a moda de rua, por exemplo, também conhecida como street style, é um reflexo do comportamento da sociedade.

Andreia também ressaltou que as revistas de moda, as campanhas e os desfiles normalmente antecipam comportamentos futuros da sociedade. Destacou que a temática das mulheres trans, por exemplo, que já é pauta antiga no mundo da moda (basta lembrar da capa da Vanity Fair, com Catilyn Jenner), hoje está em destaque na grande mídia. Também lembrou do debate presente hoje na sociedade acerca do respeito a diferentes estilos de corpo, que também foi iniciado na moda. Citou o caso das modelos plus size que apareceram nas capas da Vogue Itália, em 2011, e da Elle Brasil, em 2015. “Só agora as modelos plus size aparecem na capa da revista Veja São Paulo, que é um veículo da grande imprensa. Elas apareceram antes nas mídias de moda”, argumentou.

O feminismo também é uma pauta contemplada pela moda, de acordo com Andreia. Ela enfatizou o pioneirismo de Karl Lagerfeld, por exemplo, no desfile-protesto da Chanel em 2014, quando diversas modelos, inclusive Gisele Bündchen, encenaram uma manifestação feminista.

“Além disso, a moda se relaciona o tempo todo com outras seções do jornal,  como Política ou Economia. Ela está ligada a diversas outras áreas”, disse a jornalista.

Para Andreia, para seguir no jornalismo de moda é preciso primeiro tirar a visão de glamour da área. É preciso expandir os olhares e conseguir relacionar a moda com diversas áreas, além da roupa. É necessário muito estudo da história, do comportamento social, saber um pouco de tudo para conseguir relacionar tudo com a indumentária, que normalmente diz muito sobre as pessoas e suas características. Um bom exemplo dado por Andreia foi o terno usado na posse do presidente norte-americano Donald Trump. “Foi  um terno de uma marca italiana super tradicional… Diz muito a respeito do sujeito, não?!”, enfatizou Andreia.

Outras dicas bastantes valiosas são: conseguir identificar o nicho do veículo que você escreve ou quer escrever, já que cada um consome e vende moda de um jeito; estudar as marcas e o impacto que elas trouxeram para a sociedade ao longo da sua história e, por fim, mergulhar e se envolver completamente com o tema.

*Júlia Mello é minha aluna de Jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Ela escreve como colaboradora aqui no Formando Focas.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s