Conheça os principais jargões da área jornalística

meme

 

*Patrícia Paixão

Toda área tem sua sopa de letrinhas e a jornalística não é diferente.  Agora que você está decidido a seguir essa que é a melhor profissão do mundo, que tal conhecer as principais expressões, termos e jargões da área?

Estar por dentro da “língua jornalística” é importante até mesmo na hora de tentar um estágio. O empregador pode citar termos propositalmente para ver se você sabe sobre o que ele está falando, ou seja, se é um cara antenado na área.

Preparei um compilado legal, com base na minha experiência pessoal e em informações presentes no Manual de Redação da Folha de S.Paulo (minha antiga casa) e nos sites Casa dos Focas e Coisas de Jornalista. Confira!

Abre: matéria principal de uma página, texto que abre a página, no alto dela.

Aspas: declaração de uma fonte que aparece na matéria jornalística entre aspas.

Barriga: matéria com informação falsa.

Box: texto menor que aparece entre fios ou dentro de uma caixa, complementando uma matéria maior. Normalmente traz um fato histórico ou uma curiosidade.

Cabeça: região superior de uma página, onde vai o nome da editoria. Ver logo mais editoria (seção).

Cabeçalho: Área superior da capa de uma publicação, onde constam informações como nome da publicação, ano, edição e data.

Caderno:  Cada uma das editorias (seções) de um jornal. Trata-se de um conjunto impresso formado por no mínimo quatro páginas.

Calhau: é um anúncio do próprio jornal utilizado para cobrir um espaço não utilizado na página.

Cartola: uma ou mais palavras usadas sobre o título da reportagem, para definir o assunto do texto; também chamada de “retranca” ou “chapéu”.

Chamada: frases ou textos pequenos usados na capa da publicação, chamando o leitor para as páginas interiores.

Chapa: material metálico usado como matriz para imprimir o jornal. É coberto por uma película fotossensível queimada com a ajuda de um fotolito, revelada e instalada nas rotativas. Sobre ela se aplica tinta para a impressão. Usa-se uma chapa para cada uma das cores básica – Cyan, Magenta, Amarelo e Preto.

Chapéu: palavra ou palavras utilizadas acima do título da matéria para definir o assunto dela.

Chefe de reportagem: profissional que coordena os repórteres, determinando o que estes devem fazer. Nos organogramas das redações esse cargo vem sendo substituído pelo editor-assistente, que é responsável pela produção das reportagens.

Clichê: o mesmo que edição. Termo herdado dos primórdios do jornalismo. Para cada página de jornal era usado um clichê, um suporte metálico onde eram dispostos os tipos metálicos manualmente, formando frases e colunas. Antes da difusão do rádio e da televisão, os jornais tiravam várias edições atualizando o material publicado. Hoje, costuma-se fazer um segundo ou terceiro clichê para atualizar matérias importantes depois do horário de fechamento do jornal.

Clipping: serviço de levantamento, coleção e fornecimento de recortes de jornais e revistas ou cópias de emissões de televisão ou rádio. O clipping pode ser restrito aos interesses imediatos da empresa ou mais amplo. Em geral, é feito por empresas especializadas.

Cobertura: atividade do repórter ou equipe de reportagem no local de um acontecimento, acompanhando seu desdobramento.

Coluna: seção de jornal ou revista, assinada ou não, tratando de temas ligados à editoria ou seção. Podemos encontrar colunas nas seções ou editoriais de política, economia, artes, agricultura, esportes, etc. Muitas vezes, uma nota numa coluna de prestígio repercute mais do que uma reportagem no mesmo veículo.

Colunista: o responsável pela coluna.

Copydesk ou copidesque: termo importado dos Estados Unidos por Pompeu de Souza durante a reforma do Diário Carioca. Na época poucos repórteres escreviam a matéria. Eles chegavam e ditavam o texto para o editor. Pompeu obrigou-os a escrever. Para transformar o texto incompreensível dos repórteres em algo legível existia uma Mesa de Textos (Copy Desk em inglês) com os melhores redatores do Diário Carioca. O termo incorporou-se à linguagem jornalística como sinônimo de redator. E já não existe quase mais. O repórter hoje e quem revisa seus textos.

Copyright: são os direitos reservados ao autor de uma obra ou a quem comprou os direitos do autor. As fotos também têm seus direitos reservados.

Cortar pelo pé: encurtar a matéria, eliminando as informações do final do texto que, no modelo de estruturação da pirâmide invertida, são as menos importantes.

Crédito: assinatura usada em foto ou para marcar material produzido por agência ou outra publicação.

Cruzar informação: significa confrontar informação originária de determinada fonte com uma fonte independente. Assim, cruzar comum a fonte significa possuir duas origens para uma informação. Cruzar com duas fontes, três. Qualquer informação de cuja veracidade não se tenha certeza deve ser cruzada.

Deadline: último prazo para que uma edição seja fechada ou que uma reportagem seja concluída.

Diagramação: adequação dos textos, desenhos, gráficos e fotos numa página, de acordo com os padrões visuais da publicação.

Editar: retoques finais na matéria, deixando-a pronta para ser impressa ou emitida nos padrões do veículo.

Editor: é o jornalista que chefia um grupo de jornalistas que compõem uma Editoria.

Editor-chefe: é o jornalista que chefia a Redação do jornal.

Editoria: seção especializada em determinado setor (esporte, polícia, arte, meio ambiente e etc).

Editorial: texto com a opinião da publicação. Não vem assinado e, geralmente, localiza-se diariamente na 2ª ou 3ª página do jornal.

Enquete: pequenas entrevistas para levantar a opinião da comunidade.

Enxugar: resumir um texto. Cada vez mais as publicações exigem que os textos sejam mais concisos, que não desencoraje a leitura. Às vezes também é preciso enxugar para caber na página diagramada.

Escalada: São as manchetes do telejornal, sempre no início de cada edição.

Espelho: é a previsão do que vai ser publicado em uma página com a inclusão dos anúncios. Não confundir com diagrama. O espelho é feito pelo departamento comercial da editora conforme a previsão do número de páginas pela redação.

Expediente: quadro com os dados gerais da publicação. Consta obrigatoriamente a relação de diretores e editores-chefes e endereços.

Feature: gênero jornalístico que vai além do caráter factual e imediato da notícia. Opõe-se a “hard news”, que é o relato objetivo de fatos relevantes para a vida política, econômica e cotidiana. Um “feature” aprofunda o assunto e busca uma dimensão mais atemporal. Define-se pela forma, não pelo assunto tratado. Pode ser um perfil, uma história de interesse humano, uma entrevista.

Fechamento: etapa do processo de edição em que os trabalhos são encerrados. Depois do fechamento não há mais revisão do texto e a edição é enviada para a gráfica.

Foca: jornalista iniciante.

Follow-up: lembrete ou reforço de pauta, por telefone ou contato pessoal.

Fonte: pessoa que dá origem a uma informação ao veículo, por iniciativa própria ou por solicitação do jornalista. Existem também fontes bibliográficas e documentais.

Foto-legenda: pequena matéria, de no máximo 20 linhas, usada para explicar ou destacar foto.

Furo: matéria jornalística exclusiva de grande repercussão.

Gancho: característica/informação que faz um fato ter um potencial jornalístico para publicação.

Hard news: jornalismo factual, diário, aquele que é voltado a cobrir os acontecimentos do dia, fatos “quentes”.

Iceberg: texto que começa na primeira página e prossegue em páginas internas.

Intertítulo: pequenos títulos colocados no meio do texto. Esse artifício é usado para tornar o texto menos denso e para organizá-lo.

Infográfico: artifício gráfico que envolve imagem e pequenas informações de texto que se complementam.

Informe publicitário: anúncio pago com aspecto jornalístico ou reprodução paga de artigo ou reportagem.

Jabaculê ou jabá: dinheiro ou presente ao jornalista.

Lead ou Lide: abertura de matéria tradicional, que segue a fórmula da pirâmide invertida. Precisa responder às seguintes perguntas: Quem, quando, onde, porque e de que maneira.

Legenda: linha de texto colocada sob a foto. Artifício adicional para destacar o tema da matéria.

Lidão: texto de até 60 linhas usado em reportagens para coordenar matérias diversas sobre um mesmo tema.

Linha de tempo: dados dispostos em ordem cronológica com fotos e ilustrações. Podem ser colocados na página vertical ou horizontalmente.

Linha-fina: o mesmo que subtítulo ou sutiã. Frase que aparece abaixo do título, em corpo menor, complementando-o.

Mailing: listagem de nomes e endereços.

Manchete: é o título principal que indica a notícia mais importante do jornal. Existe a manchete principal do jornal (na primeira página) assim como a manchete de cada caderno, seção ou página. Onde encontrar a manchete é sempre aquela que vier graficamente com maior destaque, ou que tiver letras mais carregadas na tinta.

Matéria: texto preparado jornalisticamente.

Matéria de gaveta: aquela matéria que espera a ocasião oportuna para ser publicada.

Matéria fria: matéria que independe de sua atualidade para ser publicada.

Memória: texto preparado jornalisticamente lembrando antecedentes do fato.

Nariz de cera: introdução vaga, sem necessidade, que retarda a entrada na informação principal do texto.

Notícia: registro dos fatos, de informações de interesse jornalístico, sem comentários. os famosos critérios de noticiabilidade determinam a publicação de uma notícia, já que embora toda notícia é um fato, nem todo fato é uma notícia: o caráter inédito; o impacto que exerce sobre as pessoas e sobre sua vida; a curiosidade que desperta; a imprevisibilidade e improbabilidade do fato, dentre outros.

Nota oficial: documento impresso com a opinião de uma determinada fonte.

Nota ou balaio: texto curto usado em colunas. Pequeno texto referente a um assunto que irá acontecer e responde a três questões básicas para compreensão: que, quem, quando.

Off: declaração dada sob compromisso de não revelar a fonte.

Olho: frase destacada sob o título ou no meio de uma matéria.

On: declaração sem impedimento de revelar a fonte.

Passaralho: demissão em massa de jornalistas de uma redação.

Pauta: é uma proposta de reportagem que é entregue para o repórter para ser executada. A pauta normalmente indica a pessoa que deve ser entrevistada, local, horário e até mesmo o tamanho da reportagem que deve ser produzida. A pauta também deve indicar os temas principais que devem ser abordados no texto. Nos jornais, a pauta é feita através de reuniões de pauta, onde editor, redator-chefe e repórter sugerem pautas para que matérias sejam produzidas.

Pé da matéria: é o final do texto. Todo repórter deve ter em mente que se o texto for reduzido, as últimas linhas serão eliminadas. Cortar pelo pé significa retirar os últimos parágrafos sem se preocupar com a qualidade da informação contida no texto.

Pescoção: trabalhar durante a noite e a madrugada para antecipar material de fim de semana.

Pingue-pongue: entrevista com uma personalidade ou alguém que presenciou um fato relevante. É editada na forma de perguntas e respostas, após o título e um texto introdutório sobre o entrevistado e/ou o assunto da entrevista.

Pirâmide invertida: técnica de estruturação do texto típica do jornalismo diário, que traz as informações em ordem decrescente de importância, da mais importante para a menos importante.

Plantar: publicar informação com outro objetivo que não de informar. Geralmente atende a lobby ou a interesses pessoais.

Povo Fala ou Fala Povo: enquete com populares sobre determinado assunto (veja enquete)

Press release: texto preparado por uma assessoria de imprensa, destacando uma ação ou um produto que uma pessoa ou instituição deseja divulgar; é encaminhado aos veículos jornalísticos com o objetivo de colocar essa pessoa ou instituição na mídia.

Projeto Editorial: Planejamento do conteúdo de uma publicação, incluindo a projeção do seu nome, linguagem, suas editorias (seções),  seu manual de redação, com as regras sobre como devem ser escritos os textos da publicação, periodicidade, tiragem, dentre outros tópicos.

Projeto Gráfico: Planejamento gráfico da publicação, com as diretrizes do seu layout e regras sobre como os textos e as imagens devem ser diagramados.

Reco: matéria recomendada pelos superiores.

Redator: jornalista especializado em rever o texto do repórter e em preparar títulos e legendas. Na nova concepção de jornalismo, o profissional não se especializa mais em uma determinada área da produção de texto e edição.

Repercutir ou repercute: prosseguir num assunto do próprio jornal ou de outro. Veja suíte.

Reportagem: matéria que envolve entrevista com diferentes fontes, incluindo especialistas, e oferece um aprofundamento maior do fato.

Retranca: palavra que identifica um texto. “Samba” pode ser uma retranca que identifica um texto sobre as escolas de samba. O ideal é que a retranca tenha uma só palavra.

Seção: sinônimo de editoria ou coluna de opinião ou nota.

Selo: recurso gráfico que marca uma reportagem uma série de reportagens. É muito comum seu uso em série de reportagens. Normalmente é composto por uma pequena expressão e um desenho que se repete. Por exemplo: “Crise no INSS” pode ser acompanhado de um desenho de uma maca. Todo texto que se refira ao assunto é acompanhado desse selo.

Side: termo usado para designar um outro lado da reportagem. São assuntos paralelos que se publicam nos sides. Um texto sobre um jogo de futebol pode trazer um side com o jogador que teve o melhor desempenho na partida.

Soft News: jornalismo que trabalha com notícias mais leves e frias, normalmente envolvendo saúde, comportamento, entretenimento, etc.

Standard: amanho padrão dos jornais. Mede 54 x 33,5 cm. O único caso no Brasil de jornal que conseguiu sucesso sem ser standard é o Zero Hora, de Porto Alegre, publicado em tamanho tabloide. O tamanho tabloide é a metade do standard.

Stand by:  textos que podem ser publicados em qualquer época. Também são conhecidos como textos de “gaveta”. Um texto que mostre os planos da empresa IBM para o Brasil, por exemplo, pode ser publicado em qualquer época (claro que sem exagero. Esse texto não pode ser publicado um ano depois de ser escrito, mas pode muito bem ser publicado duas semanas depois de ter sido escrito).

Sub: matéria coordenada com a principal da página; título informal usado pelo sub-editor.

Sublead ou sublide: parágrafo colado ao lead da matéria.

Suíte: do francês suíte, isto é, série, sequência. Em jornalismo, designa a reportagem que explora os desdobramentos de um fato que foi notícia na edição anterior. Também se usa o verbo suitar no sentido de repercutir.

Suplemento: caderno adicional ao material principal do jornal.

Tabloide: formato de jornal igual à metade da página do jornal standard.

Template: modelo de página, dentro do projeto gráfico, que serve para iniciar o processo de diagramação.

Título: frase usada no alto da matéria para chamar a atenção do leitor (veja manchete).

Toques: número limite de letras, espaços em branco e sinais ortográficos capazes de caber numa linha de título, legenda, sutiã ou olho.

Vazado: texto claro colocado sobre fundo escuro.

Vazamento: informação que escapa ao controle da fonte responsável pelo seu sigilo e chega aos meios de comunicação. Às vezes, é do interesse da fonte “vazar” a informação.

Vender a pauta: sugerir determinado tema ao editor.

Fontes: Arquivo pessoal/Manual de Redação da Folha de S.Paulo/Casa dos Focas/Coisas de Jornalista

 

2 ideias sobre “Conheça os principais jargões da área jornalística

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s