Entenda a diferença entre nota, notícia e reportagem

Meme_Chaves

*Patrícia Paixão

“Que notícia interessante, meu filho!”, diz sua mãe, apontando para um editorial ou uma crônica.

Para o leigo, todos os textos que aparecem em um jornal são “notícias”, mesmo aqueles que pertencem ao gênero opinativo, no qual claramente prevalece a visão de mundo do jornalista.

Quem conhece os gêneros jornalísticos sabe que isso é um grande equívoco. Existem diversos tipos de textos em um veículo e é preciso saber diferenciá-los.

Fico espantada quando às vezes pego alunos no último ano do curso de Jornalismo que ainda não sabem diferenciar notícia de reportagem, artigo  de editorial, crônica de resenha e assim por diante. Seria o mesmo caso do médico que está se formando confundindo o rim com o fígado, o coração com o pulmão!

No post de hoje vamos falar das diferenças entre três tipos textuais bastante trabalhados no gênero informativo (gênero no qual não devemos colocar a nossa opinião sobre o fato, atendo-se apenas a informar o que aconteceu): a nota, a notícia e a reportagem (embora vários autores considerem este último texto como pertencente ao gênero interpretativo, como explicaremos a seguir).

Vamos lá?

*NOTÍCIA

É um texto que faz o relato de um fato que acabou de eclodir na sociedade. É essencialmente factual, ficando velha em poucas horas. Então, para saber se é notícia, basta pensar: Esse texto poderia ser publicado amanhã ou ficaria obsoleto? Se ficar velho, com certeza é notícia.

É o puro registro do fato, sem comentário ou interpretação. Não tem o objetivo de abordar as causas e consequências do acontecimento, apenas informá-lo da forma mais simples possível.

Deve trazer as aspas (declarações) dos envolvidos na história.

É a matéria-prima do jornalismo, pois, geralmente, somente depois que os assuntos são divulgados é que eles são comentados e interpretados. Ou seja, na maioria das vezes para a reportagem, o artigo ou um editorial existir, é preciso que haja uma notícia que os instigue.

No idioma inglês notícia é news”. Esse termo foi formado a partir das iniciais dos pontos cardeais (North, East, West e South). Assim a notícia é encarada como um fato novo, “quente”, que tem o potencial de ser difundido para todas as direções, atingindo o maior número de pessoas.

É o tipo textual predominante nos veículos jornalísticos. Boa parte do conteúdo dos jornais impressos, radiojornais, telejornais e, em especial webjornais, é formada por notícias, em especial no atual cenário em que os leitores privilegiam a informação rápida e objetiva, e em que muitas redações têm reprimido o gênero reportagem (ainda que inconscientemente), que envolve tempo e dinheiro, afinal, para se fazer reportagem de verdade é preciso ir pra rua, ouvir muita gente, pesquisar muito. Em tempos de passaralhos e cortes de custo isso é complicado.

 

  • Texto

Quanto à estrutura do texto, como trabalha com o factual, o texto da notícia segue a estrutura da pirâmide invertida, com as informações mais importantes sobre o fato aparecendo no primeiro parágrafo (lide – que responde às perguntas o quê, quem, quando, onde, como e por quê)). As informações são apresentadas em ordem decrescente (do mais importante para o menos importante). Posteriormente, constrói-se o sublide (outras informações relevantes relacionadas ao lide). Passa-se, nos demais parágrafos, a detalhar pontos da história até terminar o texto com os aspectos menos relevantes.

Lide

As declarações dos entrevistados podem entrar no texto na forma:

  • Direta:  “O  corte no Orçamento de 2011 irá ajudar o governo a manter as contas em dia”, afirma o  ministro  da Fazenda, Joaquim Levy.
  • Indireta: Segundo o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, o corte  no Orçamento de 2011  ajudará na manutenção das contas do governo.
  • Mista: Para o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, o corte no Orçamento de 2011 “irá ajudar o governo a manter as contas em dia”.

Outras regrinhas: O texto deve ser impessoal (a primeira pessoa é proibida, tanto no singular como no plural. Ou seja, nada de: “Em entrevista concedida a mim…”); objetivo e imparcial (evitar a subjetividade e os adjetivos. Adjetivos só são aceitos se trouxerem informação. Os que trazem juízo de valor devem ser evitados); conciso (não ter mais vocábulos que o necessário. Muitas vezes em texto menos é mais); preciso (trazer dados exatos, sem generalizações); escrito com frases curtas e na ordem direta (sujeito – verbo – predicado), para facilitar o entendimento do leitor;  além de coeso e coerente (ter uma relação lógica e “bem costurada” entre seus parágrafos).

Clique aqui para ler um exemplo de notícia.

*REPORTAGEM

A reportagem é um texto mais aprofundado que a notícia, ou pelo menos deveria ser. É o gênero mais nobre do Jornalismo. Vai além de informar, pois oferece uma interpretação do fato ao leitor, mostrando suas possíveis origens, razões e efeitos.

Na reportagem, o jornalista, com base na consulta a diversas fontes e numa ampla pesquisa (inclusive de campo), traça um DIAGNÓSTICO do fato. Portanto, quanto maior for o número e qualidade dos entrevistados e a pesquisa feita, melhor será a reportagem.

Como oferece um aprofundamento do fato, alguns estudiosos a classificam como um texto do gênero interpretativo, que se diferencia do meramente informativo e da simples opinião.

Exemplo: Noticiar as manifestações de 13 de dezembro de 2015 contra a presidente Dilma Rousseff é informativo. Criticar ou elogiar essas manifestações é opinativo. Já analisar as causas e o impacto desses protestos na aceleração ou não do processo de impeachment seria interpretativo, ou seja, papel da reportagem.

Como diz Eugênio Bucci,  no texto de apresentação que escreveu para o livro “A arte da reportagem”, de Igor Fuser, “a reportagem, como a arte, tem a necessária pretensão de iluminar o significado, de apontar uma direção acima do caos dos eventos cotidianos.”

Ou seja, informar os eventos cotidianos é função da notícia, mas a reportagem precisa ir além. Ela deve mostrar o que está por trás da grande avalanche de notícias que vemos no dia a dia, o que vem acontecendo na sociedade, em qual direção estamos rumando. Não adianta, por exemplo, ficar apenas noticiando dia a dia as diversas chacinas que acontecem nas periferias de São Paulo. É preciso fazer uma reportagem para sabermos por que essas chacinas vêm ocorrendo e o que pode ser feito para evitá-las.

A reportagem geralmente tem como ponto de partida uma notícia.

  • Texto

O texto da reportagem precisa ser atrativo, bem trabalhado. Não pode ser um relato frio do fato, como faz a notícia.

Deve ser aberto com um bom lide, que consiga fisgar o leitor, mantendo-o no texto. O lide da reportagem tende mais ao não factual, ou seja, não tem a necessidade de logo de cara responder às seis questões essenciais sobre o fato. O repórter pode abrir o texto, por exemplo, descrevendo, com riqueza de detalhes e caracterização dos personagens, uma das cenas que presenciou do fato.

Muitas vezes a reportagem trabalha a humanização, por meio da sensibilidade e observação do repórter, para contar a história de maneira instigante.

É importante que a reportagem também conte com uma boa programação visual (bom uso dos elementos gráficos, infografia e fotografia). Em reportagem costuma-se usar, além do título, subtítulo, intertítulos e olhos. Como é um texto mais longo, esses elementos gráficos são muito importantes para manter o leitor no texto, pois funcionam como “iscas”.

ELEMENTOS

A forma como as declarações dos entrevistados entram no texto é a mesma que explicamos acima, para a notícia.

Em jornais diários a reportagem não é tão explorada como em veículos com periodicidade maior, como a revista.

Clique aqui (da página 16 a 23) para ver um exemplo de reportagem.

*NOTA

É um texto curto (média de 15 linhas) que traz as informações básicas sobre o fato, sem aprofundamento. Produzir uma nota é ir um pouco além do lide. Normalmente não traz aspas (declarações dos envolvidos no fato).

Seu estilo de redação é muito parecido com o da notícia. Ou seja, tem-se um relato mais objetivo e frio do fato.

O que pode gerar uma nota?

Um fato que já ocorreu, mas que não teve tanta relevância perto de outros que viraram notícia, por isso só merece um registro.

 

ou

Um fato que está em processo de configuração (que ainda vai acontecer ou que já está acontecendo). Nesse caso o relato é curto, pois ainda não há muitas informações a respeito

Exemplo de nota.

Bem, espero tê-lo ajudado a identificar esses três tipos textuais do jornalismo e a decidir quando optar por um ou por outro. Em postagens futuras, falaremos sobre outros gêneros jornalísticos. Continue nos acompanhando 🙂

 

 

 

 

 

 

 

 

5 ideias sobre “Entenda a diferença entre nota, notícia e reportagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s