Jornalista, a melhor profissão do mundo

*Patrícia Paixão

Há cerca de três semanas, participei como avaliadora de uma banca de Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Jornalismo, que me emocionou bastante. A aluna apresentou um belíssimo livro-reportagem com perfis de mulheres que abortaram em circunstâncias de total desespero e abandono e, ao relatar o sofrimento das fontes entrevistadas, não conteve as lágrimas, quebrando o protocolo da apresentação, que comumente exige uma certa dose de formalidade. Foi lindo!

Há uma semana, participei da Expocom Sudeste 2017, premiação pertencente à Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom), que promove o mais reconhecido congresso da área de comunicação. O livro-reportagem dos meus ex-orientandos de TCC, das Faculdades Integradas Rio Branco, foi selecionado entre os cinco melhores da região Sudeste. Fui com a minha aluna para o Centro Universitário de Volta Redonda (Unifoa), onde ocorreu a premiação, acompanhar a apresentação dela (representando seu colega, parceiro de reportagem) sobre o processo de produção da obra. Eles apresentam, no livro, o perfil de uma senhora nordestina que tem uma história de vida riquíssima, marcada por toda sorte de empecilhos e injustiças,  além de ter sentido na pele, em diferentes situações, o preconceito e o machismo. A trajetória dessa mulher espelha os dramas de milhares de brasileiras. Lá na premiação, nos deparamos com outros livros maravilhosos dos alunos que também concorriam ao prêmio. Obras que versam sobre a comunidade gay, moradores de rua, direito ao uso da maconha com fins medicinais, entre outros assuntos muito importantes. Não consigo me esquecer do orgulho de cada um dos estudantes, inclusive da minha querida ex-orientanda, apresentando o trabalho. Seus olhares traziam a certeza de terem se formado contribuindo com um mundo melhor.

Recentemente, finalizamos, eu e meus colegas de pós-graduação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) a disciplina “A Ciência do Jornalismo”, uma matéria voltada a debater textos clássicos, que abordam questões cruciais da nossa profissão: da seleção do que é notícia à função social do jornalismo. Foram seis meses de discussões acaloradas sobre como praticar um jornalismo capaz de atender à sociedade, e não a interesses de grupos que já possuem tudo a seu favor. Cada um de nós encerrou a disciplina com uma breve apresentação sobre o artigo científico que está produzindo como trabalho final. A empolgação de cada colega, nas apresentações, era notável.

Perdoe-me pelo personalismo deste texto, mas ainda me emociono muito quando vejo demonstrações de amor pela profissão, como essas. Hoje em dia elas parecem cada vez mais raras.

Escolhi a faculdade de jornalismo verdadeiramente pensando em contribuir com a minha sociedade, e defendo que aqueles que optam por esse curso devem pensar desta forma. É desolador escutar um bocejo ou observar um aluno abandonando a sala de aula, no meio de um debate importante sobre o jornalismo.

O idealismo é muito necessário na área. Se não podemos mudar o mundo, podemos ao menos “mudar pequenos mundos”, como disse a querida amiga Thaís Nunes, repórter da área de direitos humanos, em palestra proferida no aniversário do blog Formando Focas (página voltada aos estudantes de jornalismo, por mim editada. Podemos, sim, fazer a diferença na vida de brasileiros que nunca tiveram seus anseios e queixas ouvidos.

Enquanto alunos marejarem os olhos ao apresentarem seus trabalhos, enquanto pesquisadores e professores de jornalismo discursarem empolgados sobre suas pesquisas, enquanto um repórter ficar com a voz embargada ao se deparar, durante uma matéria, com uma situação de injustiça ou opressão, vou defender que essa é a melhor profissão do mundo, como disse o mestre Gabriel García Márquez.

OBS: Texto de minha autoria, publicado originalmente no portal Comunique-se.

Cinco livros que são verdadeiras aulas de grande reportagem

Tela

*Por Patrícia Paixão

Ler ficção é ótimo, mas você, que é amante do jornalismo, já experimentou se entregar a livros que trazem os bastidores de grandes reportagens?

Vale muito a pena! Além de ser inspirador, é maravilhoso para aprender como dar novos olhares a assuntos tidos como desgastados, descobrir e valorizar personagens, conhecer diferentes técnicas de entrevista, pesquisa de campo e observação.

Recomendo cinco obras em especial. A seguir, você conhecerá um pouco cada uma delas:

O Olho da Rua – Uma Repórter em Busca da Literatura da Vida Real

elianebrum-livro.jpg

 

Uma verdadeira obra-prima do jornalismo literário brasileiro. Escrito pela diva-musa-suprema Eliane Brum (sim, eu amo essa mulher), o livro traz histórias incríveis de brasileiros de diversos cantos do país, como dona Ailce, que teve seus últimos 115 dias de vida retratados por Eliane (ela tinha um câncer terminal. Prepare-se para chorar rios com esse texto lindo).

As narrativas são construídas de maneira extremamente atrativa, com uso de metáforas, rimas e vários outros recursos da literatura, que Eliane sabe tão bem usar. Você percebe que cada termo do texto foi estrategicamente escolhido para encantar o leitor. Eliane age tal como um escultor que trabalhou com ardor e paixão cada pedacinho da sua obra.

O livro aborda realidades duras do nosso país, como a das mães do tráfico (há uma história de uma mãe que perdeu dois filhos na guerra do tráfico e, por isso, já pagava o caixão do terceiro que estava vivo, sabendo que ele era o próximo a morrer), o conflito entre arrozeiros, ONGs, políticos e índios em Raposa Terra do Sol, em Roraima, ou o cotidiano dos que vivem em um asilo.

Não bastasse tudo isso, após cada reportagem, Eliane oferece um making of, contando os bastidores de produção da matéria, com seus erros e acertos.

Um dos livros mais tocantes e importantes que já li. Sempre obrigo meus queridos aluninhos a lerem, cobrando o conteúdo dele em prova. FUNDAMENTAL!

Editora: Arquipélago Editorial

http://www.arquipelago.com.br/

Tempo de Reportagem – Histórias que Marcaram Época no Jornalismo Brasileiro

audálio-dantas

Se Eliane Brum é uma diva-musa-deusa-suprema, imagine só o gabarito de quem foi um de seus grandes inspiradores?

Refiro-me ao Mestre Audálio Dantas, o homem que descobriu Carolina Maria de Jesus, lhe dando voz e valor. O homem que foi um dos primeiros a dar o lugar de protagonista, em suas matérias, para brasileiros anônimos, esquecidos pelo próprio país. O homem que ajudou a revolucionar a linguagem do nosso jornalismo, com um estilo criativo, autoral.

No livro “Tempo de Reportagem – Histórias que Marcaram Época no Jornalismo Brasileiro”, Audálio oferece ao leitor verdadeiras joias: suas históricas matérias feitas para a Folha da Manhã (atual Folha de S.Paulo) e para a Cruzeiro e a Realidade, as duas revistas que inauguraram o gênero grande reportagem no Brasil.

Antes de cada texto, o leitor é agraciado por um comentário de Audálio, com curiosidades e bastidores do processo de produção da matéria.

Além da célebre reportagem com os diários de Carolina Maria de Jesus (“O Drama da Favela escrito por uma Favelada”, publicada na Folha da Manhã, em 1958), que teve tanta repercussão que acabou proporcionando à Carolina o lançamento do livro “Quarto de Despejo”, traduzido para 13 idiomas, “Tempo de Reportagem” traz a matéria “Povo Caranguejo”. Publicado na Realidade em 1970, o texto é até hoje um case estudado nas salas de aula de jornalismo, pela maneira criativa como foi construído.  Audálio escreveu a matéria sob duas óticas: a dos caçadores de caranguejo do povoado Nossa Senhora do Livramento (PB) e a da caça (os caranguejos fugindo dos caçadores, no mangue).

Vale ainda destacar a reportagem “Circo do Desespero”, que reflete  a grande sensibilidade de Audálio ao mostrar o lado trágico de um conhecido concurso carnavalesco de dança dos anos 60, onde pobres brasileiros, esquecidos por diversas instâncias do Estado e pela sociedade, dançavam literalmente quase até morrer, para conseguirem ganhar um prêmio, que tornaria possível a realização de sonhos bastante importantes, como o de fazer a cirurgia de um filho.

Livro sensacional! Obrigatório, porque simplesmente é uma vergonha ser jornalista sem conhecer bem o trabalho de Audálio Dantas.

Editora: LeYa Brasil

http://www.leya.com.br/

Instinto de Repórter

elvira-livro

Nesta obra a super repórter investigativa Elvira Lobato, homenageada na edição de 2016 do Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), também traz suas principais reportagens, contando ao leitor os bastidores de produção dos textos.

Elvira que foi repórter especial da Folha de S.Paulo por muitos anos, especializada no nicho das Telecomunicações, revela algumas técnicas interessantes utilizadas para obter informações para algumas de suas matérias, por exemplo quando se tornou acionista da Petrobras e da Oi para investigar mais a fundo essas empresas.

O ramo do jornalismo investigativo é um dos mais instigantes e difíceis para quem atua na profissão, e demanda estratégias e tecnologias especiais, como a técnica da infiltragem ou a câmera escondida.

É muito interessante conhecer as estratégias que Elvira utilizou para fazer suas reportagens, e observar como a curiosidade e a coragem são elementos essenciais para quem deseja atuar nessa área.

Editora: Publifolha

http://publifolha.folha.uol.com.br/

Narrativas de um correspondente de rua

mauri-konig-livro

Mauri König é um dos mais premiados jornalistas brasileiros e um dos meus repórteres investigativos prediletos. Nada escapa ao seu faro. Suas reportagens são voltadas a apontar chagas sociais brasileiras. Em um de seus primeiros trabalhos de destaque, como repórter do jornal O Estado do Paraná, sofreu graves agressões ao denunciar o caso de adolescentes brasileiros recrutados para o serviço militar paraguaio. Teve que fingir que já estava morto, ficando imóvel no chão, para parar de ser agredido e evitar a morte real.

No livro “Narrativas de um correspondente de rua”, König traz esta e outras 14 reportagens premiadas que fez para a Gazeta do Povo (quando era repórter especial do jornal), também oferecendo comentários sobre os bastidores de produção dos textos.

Como muito bem descreve o texto da editora Pós Escrito, o livro, finalista do Prêmio Jabuti de 2009, denuncia “a dura realidade de pessoas que pertencem ao Brasil que não deu certo. São crianças, adultos e idosos que sobrevivem e trabalham em condições desumanas, explorados de maneira inescrupulosa por aqueles que detêm o poder econômico. Em cada reportagem, é possível vislumbrar o compromisso de Mauri com um jornalismo que luta por uma sociedade melhor, para que não sejam desperdiçadas mais vidas.”

Não dá pra não ler!

Editora: Pós-Escrito

http://www.editoraposescrito.com.br/

Mestres da Reportagem

mestresdareportagem-livro

Não é porque foi feito por mim e pelos meus alunos de Jornalismo da extinta FAPSP (Faculdade do Povo), mas este livro é IMPRESCINDÍVEL a todos que desejam ser bons repórteres. Como disse o “repórter do século” José Hamilton Ribeiro, que fez o prefácio da obra (em um e-mail que enviou para mim logo após o lançamento, em 2012), trata-se de “uma das coisas mais importantes já feitas sobre jornalismo/reportagem entre nós”.

O livro traz 30 entrevistas pingue-pongue com renomados repórteres brasileiros. Além de José Hamilton Ribeiro: Ricardo Kotscho, Elvira Lobato, Carlos Wagner, Renato Lombardi, Marcelo Rezende, Percival de Souza, Sônia Bridi, Luiz Carlos Azenha, Agostinho Teixeira, Adriana Carranca, Bruno Garcez, Mauri König, Valmir Salaro, Tatiana Merlino, Paula Scarpin, Roberto Cabrini, Leandro Fortes, Cid Martins, Eliane Brum, Goulart de Andrade, Giovani Grisotti, César Tralli, Geneton Moraes Neto, Regiani Ritter, Marcelo Canellas, José Arbex Jr., Ernesto Paglia, Sílvia Bessa e Gérson de Souza.

Afora discutir a importância da reportagem e as principais técnicas para a produção desse gênero jornalístico, a obra resgata a trajetória profissional dos jornalistas entrevistados e revela os bastidores de produção das principais matérias que eles fizeram. Lendo o livro, por exemplo, você conhecerá as técnicas que Roberto Cabrini usou para encontrar PC Farias (que estava foragido) em Londres em 1993, ou curiosidades sobre os bastidores de grandes entrevistas que foram feitas pelo mestre Geneton Moraes Neto, que infelizmente nos deixou em 2016. Imperdível!

E a sequência do livro, o Mestres da Reportagem II, está quase saindo do forno. Mais uma vez organizados por mim, alunos de diferentes faculdades de jornalismo do país entrevistaram dezenas de grandes nomes da nossa reportagem, dentre eles Audálio Dantas, Clóvis Rossi, Mário Magalhães, Rubens Valente e Sérgio Dávila. Aguarde!

Editora: In House

http://inhousestore.com.br/

OBS1: Procure as principais livrarias ou diretamente as editoras, para adquirir as obras. Caso algum dos livros esteja esgotado, procure em sebos ou em sites como o Estante Virtual. Vale todo esforço para não ficar sem ler essas joias.

OBS2: Esse artigo foi publicado originalmente no portal Comunique-se, onde sou colunista.

 

“Por mais ingênua e doce que seja a atividade do assessorado o risco de crise nunca é zero”, destaca Gilberto Lorenzon

G2

O jornalista e escritor, Gilberto Lorenzon, em palestra aos alunos de Jornalismo do Mackenzie

*Por Bianca Ninzoli Marques e Isabella Massoud

Com foto de Letícia Marques

Gestão de crise foi o tema da palestra que o jornalista Gilberto Lorenzon concedeu aos alunos de Jornalismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em 03/05, durante a aula da professora e jornalista, Patrícia Paixão, que ministra a disciplina Assessoria de Imprensa.

O professor trabalha na área desde 1983 e é autor, juntamente com Alberto Mawakdiy, do livro “Manual de Assessoria de Imprensa”, uma obra muito usada por aqueles que lecionam e trabalham nessa área. Gilberto também leciona diversos cursos sobre assessoria de imprensa em instituições como Mackenzie, Belas Artes e no Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo.

Dentre os assuntos tratados na conversa, o jornalista falou sobre a importância de uma etapa anterior à “gestão de crise”: a “gestão de risco”, ou seja, uma preparação que a equipe de assessoria deve ter para evitar que a crise aconteça ou para saber lidar com uma crise, que venha a aparecer. “Por mais ingênua e doce que seja a atividade do assessorado o risco de crise nunca é zero”, declarou Gilberto, a fim de ressaltar a necessidade de criação de um comitê especializado no assunto.

Outros três elementos compõem o departamento de gestão de risco: a auditoria (para detectar problemas que podem gerar crise), um manual com procedimentos (sobre como agir em caso de crise) e o Media Training. Este terceiro, de acordo com ele, é extremamente importante, tanto no pré, quanto no pós-crise, pois é quando o jornalista treina seu assessorado para se portar bem com a imprensa.

Gilberto citou exemplos vividos em sua carreira, nos quais teve que lidar com crises sem um comitê ou um preparo especializado, mostrando mais uma vez a importância dessas ferramentas.  Ressaltou que a equipe voltada à gestão de crise precisa ser muitas vezes multidisciplinar, contando com profissionais de outras áreas, além do jornalismo. “Médicos, advogados e psicólogos podem fazer parte do comitê de crise”. Mas destacou que “ele [comitê] não pode ficar engessado e perder a mobilidade”.

Outro fator relevante em momentos de gestão de crise é o relacionamento com a imprensa. “Valorizar o questionamento do repórter traz empatia e interlocução. A demora em se pronunciar pode trazer consequências ruins para empresa, uma vez que a imprensa pode criar especulações”, alertou.

Também é preciso “saber o que falar para o jornalista, pois tudo que o porta-voz fala é declaração oficial”, disse Gilberto.

Por fim, o professor enfatizou o valor de se comunicar internamente na empresa: “é preciso manter os funcionários informados, para que estes não se sintam traídos, passando a divulgar informações falsas ou negativas”.

Finalmente, alertou que é preciso lidar com a crise imediatamente depois de seu fim, “para aprender com os erros e evitar novos problemas”.

*Bianca Ninzoli Marques, Isabella Massoud e Letícia Marques são alunas de Jornalismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, e escrevem para o Formando Focas em caráter colaborativo.

“É preciso mergulhar na obra e ter coragem para apontar suas falhas”, destaca Julio Maria sobre o trabalho do crítico musical

*Por Brian Alan

Com fotos de Cecilia Ferreira

“Bagagem cultural, pesquisa e um bom texto vão determinar o seu sucesso ou insucesso na área”. Essa foi uma das frases que o crítico e repórter do jornal O Estado de S.Paulo, Julio Maria, utilizou para aconselhar os alunos de Jornalismo que pretendem seguir na área de crítica musical. O bate-papo com o jornalista aconteceu em 15/05, no Centro de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Julio foi convidado pela jornalista e professora da instituição, Patrícia Paixão.

Autor da biografia “Elis Regina – Nada será como antes” (2015), o jornalista ressaltou a importância da crítica ser sempre bem fundamentada e de o jornalista ter coragem para apontar as imperfeições de um álbum, quando necessário, mesmo em tempos em que os críticos são “massacrados” nas redes sociais. Segundo ele, é muito comum que, de acordo com o tom da crítica, a repercussão seja boa ou ruim nas redes. “Muita gente teme hoje fazer uma crítica mais incisiva, com medo do ‘tribunal do Facebook’”.

Para ele, é importante manter a ética e apontar os problemas da obra, mesmo sabendo da repercussão que isso irá causar. “Eu já vi meu nome em mais de 700 comentários, todos me xingando. Justo. Não gostaram do que eu falei, assim como eu não gostei do disco”, completou.

E não parou por aí. Ainda sobre ética, Júlio falou sobre a importância de o crítico não se vislumbrar com seu trabalho (já que se relaciona com muitas celebridades), adotando uma linha elogiosa, para ficar bem com os músicos.  Ele disse que, apesar de manter contato com diversos artistas em nível pessoal, não deixa que isso afete sua postura profissional. Para exemplificar, citou o processo de construção da biografia que fez sobre Elis Regina. “Eu mantive contato com os três filhos, João Marcelo Bôscoli, Pedro Mariano e Maria Rita. Deixei claro que eles não iriam interferir no meu trabalho. E eles realmente não interferiram. O João Marcelo chegou a dizer que teve que parar a leitura do livro várias vezes, pois, ao ler a obra, tinha momentos em que gostou menos da mãe”.

Falar de uma personalidade do tamanho de Elis é algo bastante delicado, no entanto, quando a vontade de fazer um bom trabalho caminha com a organização, o resultado positivo aparece. Júlio fez mais de 100 entrevistas, envolvendo amigos, familiares, ex-funcionários, especialistas, além de ler outras obras envolvendo o nome da cantora.

“Tive uma reação boa dos três filhos [de Elis]. Eles me disseram que descobriram muitas coisas sobre a mãe através do livro”, contou.

Julio ressaltou que a crítica aprofundada, de responsabilidade, não é um trabalho que deve ser feito às pressas. “Muita gente me envia álbuns, manda mensagem todo dia e cobra uma análise do trabalho. Eu não atuo assim”.

Para o jornalista, a boa crítica não sai de um dia para o outro, sob pressão. “É preciso mergulhar no trabalho do artista”, acrescentou.

O método utilizado por Julio para fazer suas críticas foi motivo de muitas perguntas, como esta: “como você avalia o crescimento ou amadurecimento de um artista?”.

Ele respondeu: “ouvindo a obra do artista, ligando o novo disco aos antigos e aos diversos universos dentro da música”.

Julio deixou uma frase interessante, que mostra como o trabalho do crítico é por natureza polêmico, no que se refere à repercussão com o público. “O artista faz o trabalho, o crítico tenta explicá-lo. Dentro desse espaço, existem milhares de motivos para concordar ou discordar da crítica”.

O bate-papo com os alunos de Jornalismo, que deveria durar uma hora e meia, acabou se estendendo para quase duas horas, tamanha a empolgação dos estudantes.

*Brian Alan é Cecilia Ferreira são alunos de Jornalismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Eles produziram essa cobertura para o Formando Focas em caráter colaborativo. 

Mandamentos importantes no uso do gravador de voz ou “não dê chance para o capeta”(rs)

smartphone-431230_1920

Gravar apenas com o celular pode ser arriscado/Crédito: Pixabay

*Por Patrícia Paixão

São recorrentes em sala de aula os casos de alunos que me procuram para lamentar uma entrevista perdida pelo mau uso ou por uma pane no gravador de voz.

E se há uma situação constrangedora, MUUUITO CONSTRANGEDORA, é ter que ligar para aquele entrevistado super ocupado e renomado, com o qual você usou todos os argumentos possíveis para conseguir um horário, e dizer: “Perdi a entrevista que fiz contigo. Você pode me conceder outra?”

Não!!!!!!!! Que vergonha alheia esse tipo de situação!! E é chato com todos os tipos de entrevistado, e não só com os famosos.

Das duas uma: ou o entrevistado se negará a conceder outra entrevista ou, se for muito bonzinho e quiser te ajudar, concederá a entrevista, mas não com a mesma empolgação e com os detalhes ditos na primeira vez em que conversou contigo.

Com base nos erros mais frequentes cometidos por aqueles que perdem a entrevista, preparei CINCO MANDAMENTOS IMPORTANTES NO USO DO GRAVADOR DE VOZ.

São básicos, são óbvios, mas ainda assim (pasme!) muitas vezes não são seguidos.

Vamos a eles:

1 –   Não gravarás apenas com o celular. Use preferencialmente o gravador de voz digital e, se conseguir, mantenha os dois gravando ao mesmo tempo (o gravador e o celular). Muitos alunos procuram-me lamentando-se de que estavam gravando apenas com o celular e, de repente, a bateria do aparelho acabou e não conseguiram terminar a entrevista. No caso da gravação pelo celular, lembre-se de manter o aparelho no modo “Não perturbe”, para evitar que pessoas te liguem ou mandem mensagem no momento da entrevista, interrompendo a gravação. Algumas baterias de celulares ficam fracas muito rapidamente com o uso de recursos multimídia. Esteja atento a isso. Gravar apenas com o celular é sempre um risco;

2 –   Verificarás se as pilhas do gravador estão em bom estado. Isso para que o aparelho não pare de funcionar durante a entrevista, por conta de pilha fraca. Não confie nas pilhas que já estavam dentro do gravador, troque-as por novas sempre antes de cada entrevista;

3 – Olharás para o gravador a cada cinco minutos (durante a entrevista), para ver se ele permanece gravando. Sim, coisas “sobrenaturais” acontecem como capetas que desligam o gravador do nada, sem que você perceba (rs). Já aconteceu comigo. Acredite!

4 – Não comprarás o gravador no dia da entrevista, tampouco o testarás minutos antes de se encontrar com o entrevistado. A chance de não saber mexer adequadamente no aparelho a tempo de fazer a entrevista é grande. Não dê chance para o azar. Seja prevenido comprando o aparelho bem antes e fazendo diferentes testes nele;

5 –   Assim que terminar a entrevista, salvarás o arquivo no seu computador e em um pen drive (por segurança), e retirarás as pilhas do gravador, para evitar que ele seja acionado sem querer na bolsa, e apague o conteúdo gravado. De novo: coisas “sobrenaturais” acontecem naquele dia em que você está com a sorte a seu favor…

Siga as dicas e, assim, terá sua estimada entrevista em total segurança 🙂

“Jornalista tem que ter olho no olho, entrevistar e ir às ruas”, defende a repórter especial da revista Época Cristiane Segatto

*Por Beatriz Bauer

O brilho no olhar e o entusiasmo demonstram o quanto um profissional ama o seu ofício. A forma apaixonada como fala de sua carreira ajuda a explicar o seu sucesso na profissão. No decorrer do bate-papo que a jornalista Cristiane Segatto teve com os alunos de jornalismo da Anhembi Morumbi, no dia 26 de abril, no campus Vila Olímpia, tudo isso ficou claro.

Vencedora de dois prêmios Esso de Jornalismo e várias outras premiações, a repórter especial da Revista Época, que atua na área do jornalismo da saúde há quase 20 anos,  mostrou, ao longo de uma hora de conversa com os estudantes, toda sua devoção pela arte de contar histórias, em especial no jornalismo de revista. A palestra aconteceu na aula da disciplina Produção de Revista, ministrada pela professora e jornalista Patrícia Paixão, responsável por esse blog (Formando Focas).

Cristiane ressaltou o quanto esse jornalismo é importante por poder ir mais a fundo em um assunto, por abordar aquilo que os jornais diários não conseguiram tratar. “As matérias que eu faço na revista surgem em cima de brechas deixadas pelo jornalismo diário, aspectos que as reportagens do hard news não conseguiram aprofundar”, contou a jornalista.

Para atingir esse aprofundamento, Cristiane sugere que o repórter viva o mesmo que o personagem retratado, que entre no mundo dele. Com essa atitude, a chance de o que estiver sendo falado ser mais próximo da realidade é maior. “Jornalista tem de ter olho no olho, entrevistar, ir às ruas”, completou.

Esse processo só será bem feito se o repórter for curioso e apurar a sua sensibilidade. Este aprendizado, aliás, Cristiane absorveu de uma professora da faculdade, que dizia que era preciso “ver com olhos de enxergar, ouvir com ouvidos de escutar”. Ao aguçar a sensibilidade e perceber os detalhes, é possível obter informações muitas vezes não ditas que enriquecem a narrativa.

Uma vez coletados e estruturados os dados, o jornalista precisa visualizar a reportagem e, então, em conjunto com o editor de arte, elencar quais os elementos que imagina para a finalização. Isso é importante, porque o leitor, primeiramente, é atraído pelas imagens, arte, título e subtítulos. O texto vem na sequência. Por isso, o trabalho em uma redação precisa ser sempre em parceria: “O leitor muitas vezes entra na sua reportagem pelo título, por um olho ou pela foto, então tudo precisa ser muito bem feito”.

Outro ponto abordado foi o fato de as pessoas, muitas vezes, acharem que o jornalista tem de escrever de forma rebuscada e difícil. Ela refuta essa ideia, principalmente por trabalhar na área da saúde que é repleta de termos técnicos e desconhecidos do grande público. Ao contrário do que se pensa, ela afirma que o papel do jornalista é transformar confusão em clareza, sem perder a profundidade. Ou seja, tem de tornar acessível para leigos assuntos tratados por profissionais.

Cristiane destacou que trabalhar no jornalismo de saúde não é fácil: “Muita gente escolhe essa área achando que se trata de algo mais fácil que cobrir Política ou Economia, só que a área de Saúde também envolve Política, Economia e muitos outros assuntos, muitos pontos polêmicos”. Segundo ela, para atuar nesse setor é preciso estudar bastante para não ser contestado: “Você vai entrevistar pessoas com um conhecimento muito grande, como médicos, pesquisadores.  Se você não estudar, se não for criterioso, corre o risco de uma dessas fontes te questionar ou de ser manipulado, por falta de conhecimento”.

Para a repórter, um bom jornalista tem de ter referências e seguir exemplos de quem admire, além de ler muito e conhecer ao máximo o meio em que atua. Cristiane citou alguns autores que a influenciaram a escrever de forma literária, como José Saramago, Machado de Assis, Jorge Amado e Ian McEwan. Tudo serve como repertório e amplia o universo do jornalista que, em algum momento, usará o conhecimento obtido.

A jornalista encerrou seu bate-papo falando sobre o que deveria ser o básico para todo profissional: dedicação. Para uma reportagem sair boa, é preciso usar bastante tempo, ser criterioso, ter rigor na apuração, ler muito e ser curioso, fazendo tudo isso com prazer.

De forma simples e cordial, ela deu o recado a todos que queiram obter êxito na área jornalística.

*Beatriz Bauer é aluna do sexto semestre de jornalismo da Universidade Anhembi Morumbi, campus Vila Olímpia. Ela escreve para o Formando Focas em caráter colaborativo.